Os agricultores de soja preocupados com a logística do Brasil, os exportadores como o Harvest Starts

Por Ana Mano6 fevereiro 2018
© Matyas Rehak / Adobe Stock
© Matyas Rehak / Adobe Stock

Como os agricultores de soja do Brasil começam a colher, os problemas em uma estrada que liga o pátio agrícola do país aos portos do norte fornecem novas evidências de que o maior exportador mundial de oleaginosas está longe de resolver seus estrangulamentos logísticos.
Nos últimos dias, os camionistas de soja publicaram inúmeros vídeos, incluindo filmagens de drones, nas mídias sociais mostrando que não conseguiram avançar em um trecho não pavimentado da rodovia federal BR-163 no estado do Pará.
A área mais afetada foi em torno do distrito de Moraes Almeida, norte da cidade de Novo Progresso, onde o tráfego foi respaldado por cerca de 60 quilômetros (37 milhas), disse Gelson Dill, vice-prefeito à Reuters. A linha começou a formar oito dias atrás, mas desde então foi reduzida para 25 km, disse ele.
Dnit, a agência de infra-estrutura de transporte do Brasil, disse que o tráfego estava gradualmente voltando ao normal na manhã de terça-feira entre Moraes Almeida e Riozinho nas proximidades, e não havia linhas de espera. No entanto, no Novo Progresso, o tráfego dirigido para o norte permaneceu parcialmente bloqueado, disse Dnit.
"Se o tempo permanecer seco, os caminhões que aguardam em Novo Progresso poderão continuar a jornada norte em dois dias", disse Dill.
Dnit estimou 36 horas.
A associação dos produtores de grãos de Mato Grosso, Aprisoja, disse que "milhares de caminhões foram encurralados em torno de Moraes Almeida depois que bloqueios do exército interromperam o tráfego para limpar a estrada para manutenção e construção.
Um porta-voz do exército não poderia comentar imediatamente.
Sergio Mendes, diretor-geral da associação nacional de exportadores de cereais, Anec, disse que problemas na estrada BR-163 danificam a imagem do Brasil como um exportador de soja confiável. Os dados da Anec mostram 6,3 milhões de toneladas, ou 9% da soja exportada no Brasil, foram enviados pelos portos do norte de Santarém e Barcarena em 2017.
O BR-163 é o principal elo entre os campos de soja do Mato Grosso e os portos do rio norte. No ano passado, o governo contratou o exército para pavimentar um trecho de 65 km, mas o trabalho provavelmente não será concluído em breve, disse Dill.
Um relatório de televisão local citou o coronel Alessandro da Silva dizendo que um comboio de Teresina, no Piauí, foi para Moraes Almeida para realizar trabalhos de pavimentação. Silva disse que as chuvas em janeiro impediram que quase 4.000 caminhões se movessem ao longo dos trechos não pavimentados da BR-163.
Cerca de 220 funcionários, incluindo a patrulha rodoviária federal e oficiais do Exército, foram implantados pela rodovia BR-163 em dezembro para organizar o trânsito em determinados trechos não pavimentados, disse Dnit.


(Reportagem de Ana Mano e José Roberto Gomes, edição de Susan Thomas)
Categorias: Logística, Notícia, Portos, Tendências do transportador a granel